quinta-feira, 25 de abril de 2013

PÉROLAS ESPARSAS






O BLOG DE ABRIL/13

PORTUGAL,SEMPRE!





Olá,bom dia
Encontrei esse texto excelente na Internet e estou compartilhando com vocês.O que é bom ,deve ser mostrado...e,praticado!
Se eu tivesse que escolher uma palavra - apenas uma - para ser item obrigatório no vocabulário da mulher de hoje, essa palavra seria um verbo de quatro sílabas: descomplicar. Depois de infinitas (e imensas) conquistas,acho que está passando da hora de aprendermos a viver com mais leveza: exigir menos dos outros e de nós próprias, cobrar menos,reclamar menos, carregar menos culpa, olhar menos para o espelho.
Descomplicar talvez seja o atalho mais seguro para chegarmos à tão falada qualidade de vida que queremos - e merecemos - ter.

Mas há outras palavras que não podem faltar no kit existencial da mulhermoderna. Amizade, por exemplo. Acostumadas a concentrar nossos sentimentos (e nossa energia...) nas relações amorosas, acabamos deixando as amigas em segundo plano. E nada, mas nada mesmo, faz tão bem para uma mulher quanto a convivência com as amigas. Ir ao cinema com elas (que 
gostam dos mesmos filmes que a gente), sair sem ter hora para voltar, compartilhar uma caipivodca de morango e repetir as histórias que já nos contamos mil vezes - isso, sim, faz bem para a pele. Para a alma, então,
nem se fala. Ao menos uma vez por mês, deixe o marido ou o namorado em casa,prometa-se que não vai ligar para ele nem uma vez (desligue o celular, sefor preciso) e desfrute os prazeres que só uma boa amizade consegueproporcionar.

E, já que falamos em desligar o celular, incorpore ao seu vocabulário duas palavras que têm estado ausentes do cotidiano feminino: pausa e silêncio.
Aprenda a parar, nem que seja por cinco minutos, três vezes por semana, duas vezes por mês, ou uma vez por dia - não importa - e a ficar em silêncio. Essas pausas silenciosas nos permitem refletir, contar até 100 antes de uma decisão importante, entender melhor os próprios sentimentos, reencontrar a 
serenidade e o equilíbrio quando é preciso.
Também abra espaço, no vocabulário e no cotidiano, para o verbo rir. Não há creme anti-idade nem botox que salve a expressão de uma mulher mal-humorada.

Azedume e amargura são palavras que devem ser banidas do nosso dia a dia. Se for preciso, pegue uma comédia na locadora, preste atenção na conversa de duas crianças, marque um encontro com aquela amiga engraçada - faça qualquer coisa, mas ria. O riso nos salva de nós mesmas, cura nossas angústias e nos reconcilia com a vida.Quanto à palavra dieta, cuidado: mulheres que falam em regime o tempo todo costumam ser péssimas companhias. Deixe para discutir carboidratos e afins no banheiro feminino ou no consultório do endocrinologista.

Nas mesas de restaurantes, nem pensar. Se for para ficar contando calorias,descrevendo a própria culpa e olhando para a sobremesa do companheiro de mesa com reprovação e inveja, melhor ficar em casa e desfrutar sua salada de alface e seu chá verde sozinha.
Uma sugestão? Tente trocar a obsessão pela dieta por outra palavra que, essa sim, deveria guiar nossos atos 24 horas por dia: gentileza. *Ter classe não é usar roupas de grife: é ser delicada.* Saber se comportar é infinitamente mais importante do que saber se vestir. Resgate aquele velho exercício que anda esquecido: aprenda a se colocar no lugar do outro,e trate-o como você gostaria de ser tratada, seja no trânsito, na fila do banco, na empresa onde trabalha, em casa, no supermercado, na academia.
E, para encerrar, não deixe de conjugar dois verbos que deveriam ser indissociáveis da vida: sonhar e recomeçar. Sonhe com aquela viagem ao exterior, aquele fim de semana na praia, o curso que você ainda vai fazer, a promoção que vai conquistar um dia, aquele homem que um dia (quem sabe?) ainda vai ser seu, sonhe que está beijando o Mel Gibson...
Sonhar é quase fazer acontecer. Sonhe até que aconteça. E recomece, sempre que for preciso: seja na carreira, na vida amorosa, nos relacionamentos familiares. A vida nos dá um espaço de manobra:
use-o para reinventar a si mesma.
E, por último (agora, sim, encerrando), risque do seu Aurélio a palavra perfeição. O dicionário das mulheres interessantes inclui fragilidades, inseguranças, limites. Pare de brigar com você mesma para ser a mãe perfeita, a dona de casa impecável, a profissional que sabe tudo, a esposa nota mil. Acima de tudo, elimine de sua vida o desgaste que é tentar ter coxas sem celulite, rosto sem rugas, cabelos que não arrepiam, bumbum que encara qualquer biquíni. Mulheres reais são mulheres imperfeitas. E mulheres que se aceitam como imperfeitas são mulheres livres. Viver não é (e nunca foi) fácil, mas, quando s elimina o excesso de peso da bagagem (e a busca da perfeição pesa toneladas), a tão sonhada felicidade fica muito mais possível.
LEILA FERREIRA




               UM POEMA DE RONALD DE CARVALHO
                            CONHECE-O?



                               *TEORIA*

Um poeta nunca fica inteiramente esquecido: adormece!

Sendo o Brasil um país de memória curta tomei a peito a empreitada de trazer à vista aqueles poetas que marcaram uma época , mas,que hoje,caíram num  injusto  ostracismo e quase não se fala mais neles.

Nesta sexta-feira trago para vocês um mestre do modernismo, Ronald de Carvalho,morto em 1935.

Esta poesia é dedicada aos poetas(perdoem a redundância),aos que vivem às voltas com métricas e rimas e transformam palavras em sonhos.

                              *TEORIA*

Cria o teu ritmo a cada momento.

Ritmo grave ou límpido ou melancólico;

Ritmo de flautas desenhando no ar

Imagens claras

De bosques,de águas múrmuras,de pés

Ligeiros e de asas;

Ritmo de harpas,

Ritmo de bronzes,

ritmo de pedras,

ritmo de colunas severas ou risonhas,

ritmo de estátuas,

ritmo de montanhas,

ritmo de ondas,

ritmo de dor ou ritmo de alegria!

Não esgotes jamais a fonte da tua

Poesia,

Enche a bilha de barro ou o cântaro de

Granito

Com o sangue da tua carne e as vozes

 Do teu espírito!

Cria o teu ritmo livremente,

Como a natureza cria as árvores e as

Ervas rasteiras.

Cria o teu ritmo e criarás o mundo! 
Ronald de Carvalho era filho do capitão-tenente e engenheiro naval Artur Augusto de Carvalho e de Alice Paula e Silva Figueiredo de Carvalho, concluindo o curso secundário no Colégio Abílio.
Entrou na Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais, atual Faculdade Nacional de Direito da UFRJ, fazendo bacharelado em 1912. Desde1910 trabalhava como jornalista, no Diário de Notícias, cujo diretor era Ruy Barbosa.
Em sua ida para a Europa, cursou Filosofia e Sociologia em Paris. Ao voltar para o Brasil, entrou para o Itamaraty. Em 1922, participou da Semana de Arte Moderna, que decorreu em 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922 no Teatro Municipal de São Paulo, a qual foi o momento determinante doModernismo brasileiro.
Em 1924, dirigiu a Seção dos Negócios Políticos e Diplomáticos na Europa. Durante a gestão de Félix Pacheco, esteve no México, como hóspede de honra daquele governo. Em 1926, foi oficial de gabinete do ministro Otávio Mangabeira. Em 1930, o seu poema Brasil foi entusiasticamente lido na conferência Poesia Moderníssima do Brasil, apresentada pelo professor Manoel de Souza Pinto, da Cadeira de Estudos Brasileiros da Faculdade de Letras de Coimbra (tal estudo saiu estampado depois no Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, domingo, 11 de janeiro de 1931, página 3). Exerceu cargos diplomáticos de relevância, servindo na Embaixada de Paris, com o embaixador Sousa Dantas, por dois anos, e depois em Haia (Países Baixos). Retornou a Paris, de onde, em 1933, foi removido para o Rio de Janeiro.
Foi secretário da Presidência da República, cargo que ocupava quando morreu. Em concurso realizado pelo Diário de Notícias, em 1935, foi eleito Príncipe dos Prosadores Brasileiros, em substituição a Coelho Neto. Colaborou, com destaque, em O Jornal. Casou com Leilah Accioly de Carvalho, com quem teve quatro filhos.
Ronald de Carvalho faleceu com 41 anos de idade, vítima de acidente automobilístico, no Rio de Janeiro, em 15 de fevereiro de 1935.
Fonte:Wikipédia

                      ***
HUMOR
ÚLTIMAS VONTADES

Dr. Queiroz,já paramentado de avental e com o bisturi na mão,muito delicadamente,como era do seu feitio,chegou-se ao paciente que esperava uma cirurgia e disse:

-Senhor, não consigo enganar ninguém.Por isso é meu dever lhe avisar que sua cirurgia é muito delicada.E,sem querer assustar,lhe digo que,muita gente não tem êxito...

Nestas  condições ,será que o senhor não gostaria que eu o  ajudasse  a  fazer seu testamento?

Ao ouvir palavras tão sinceras ,o paciente,muito emocionado ,juntou todas as suas energias e respondeu:

-Sim , doutor. Ajude-me a vestir as minhas calças e calçar os sapatos...porque já me sinto bem melhor e vou desistir da operação.
POLÍTICA


TABARÉU AÉCIO E CORONEL SERRA

                      (Diálogos Possíveis)

   Um cunversê para a posteridade

-Bom dia ,amigo Aécio

-Dia, coroné Serra.

-Estendi-lhe minha mão. Não vai apertar?

-Num posso, tou c’artrite.

-Não é artrite é LER: Lesão por exercício competitivo. O amigo usa muito o PC?

-Inhô não. Essa coisa de PC é cum o Collor. E fedeu!

-O prezado recebeu minha carta convidando-o para ser meu vice?Era uma carta importante lhe oferecendo um cargo importante.

-Aquele papelzin’ com umas letrinhas miúdas? Bão, tava no mato disprivinido... Fiz outro uso dele. O coroné me adisculpe. Tava apertado.

-Nossa, você não devia fazer isso!Estou sem vice. O compadre quer me transformar numa vergonha nacional? Pense no partido. O Guerra vai ficar uma fera!

-Num gosto de Guerra, coroné, sou da paz. Adoro dança e muié. Mas, pruquê o sô coroné num bota o Guerra?

-Porque ele tem um monte de fantasmas no gabinete dele. Já pensou que pratinho prá oposição?

-Antão, escoie a muié, Cuma é o nome!? a qui gosta de baitas fazendas...

-O amigo fala da Kátia?Ela não quer...

-Vejo qui o coroné tá cheio de dificulidade. Acho qui é pruquê se meteu cum o demo. Minêro num qué nada com esse cara. Vade retro!

-Por isso apelei para o compadre. Meu vice será o próximo presidente do Brasil.

-Me deixa queto, coroné. Tou bem como tô. Esse negoço de vice chama olho gordo. As véis dá até puliça, deus me livre. Sou pobre, mas, sô limpinho.

-Mas, que coisa! Nem acredito. Somos do mesmo partido,mas,parece que o amigo guarda ódio congelado.Não entendo,fala-se tanto da hospitalidade mineira.

-Apois; é só o coroné adoecê qui te visito todo dia; faço mingau di cachorro, levo a muié prá fazê sopinha, tudo...

-Reconsidere, Aécio.Vamos ficar bem.

-O coroné tá cansado de sabê; Minêro num briga mais também não faz as pais.
PARA AS DONAS OU DONOS DE CASA
UM DIA VOCÊ FOI,É,OU SERÁ

 Para tirar o cheiro forte da geladeira ou de vasilhames plásticos, é só
lavá-los com bicarbonato de sódio diluído em um pouco de água. No caso dos vasilhames, deixe-os mergulhados nessa solução por algum tempo. 
  Para tirar o queimado do fundo da panela, leve a ferver um pouco de água misturada com bicarbonato de sódio.    
Torne o detergente mais eficiente, dissolvendo algumas gotas de vinagre. Suas panelas ficarão brilhando e sem gordura. 
   Para dar um sabor especial a qualquer prato com batatas cozidas, coloque 2 ou 3 cravos-da-índia na água do cozimento. 

VOU-ME EMBORA COM SAUDADE DESTA PROSA VARIADA. VENHA CÁ,MINHA COMADRE SEM VOCÊ,NÃO VALHO NADA.