segunda-feira, 31 de março de 2014

ENTREVISTA DA ESCRITORA MIRIAM SALES PARA O SALÃO INTERNACIONAL DO LIVRO EM TURIM,ITÁLIA



                          O BLOG DE MARÇO/14



                              ENTREVISTA A.C.I.M.A



1 - A.C.I.MA. – Primeiramente, gostaríamos de saber um pouco sobre você: de onde vem, qual sua terra natal? Onde vive atualmente? Além da escrita, que trabalho ou hobby desenvolve?
Miriam - Nasci e vivo em Salvador,Bahia.Meu trabalho,hoje,é escrever e presidir uma pequena Editora,a Pimenta Malagueta.Apesar de pequena é atrevida,pois já publicou cerca de 30 livros e mais 15 digitais em menos de três anos.Trata-se de uma editora criada por uma autora para autores,e procura ajudá-los nas suas pretensões literárias.

2 - A.C.I.MA. – Como e quando se dá o seu primeiro contato com a escrita? Sobre qual tema você escreve? De onde vem as inspirações para suas obras literárias? Poderia nos contar um pouco sobre seu processo criativo?
Miriam – Meu primeiro contato com a escrita começou aos 8 anos de idade ,quando meu avô materno me pediu para escrever um discurso  em homenagem a Getúlio Vargas,político brasileiro famoso nos anos 50.Sempre escrevi diários,desde adolescente ,mas,publicar,mesmo ,comecei em 2008,num site literário;foi quando ganhei meu primeiro computador.

3 - A.C.I.MA. –  Qual foi a pessoa que primeiramente acreditou em seu talento? E qual outra linguagem da Arte tem o seu interesse? 
Miriam – Foram pessoas; meu público na internet.
Além da literatura,as artes plásticas e a sétima arte,o cinema.

4 - A.C.I.MA. – O que você acha que seria prioritário fazer para criar oportunidades para valorizar e divulgar o trabalho dos escritores e artistas brasileiros no Brasil e no exterior? 
Miriam –Mais apoio do governo,menos “panelinhas” literárias e mais divulgação.N ao que eu goste ou recomende ao autor ser um escritor’ gov.com’,o autor deve ser livre como um pássaro e um apóstolo da literatura,levando – a aos quatro cantos do mundo.Considero indispensável o trabalho que  pessoas como vocês realizam,abrindo ,para o novel escritor,as portas do mundo.E o trabalho informativo do Jornal Sem Fronteiras,da Dyandreia Portugal.

5 - A.C.I.MA. –  Na  sua opinião, qual o maior obstáculo que encontra o escritor brasileiro para ingressar no universo literário? Como você divulga o seu trabalho? Onde é possível adquirir seus livros?
Miriam – A falta de apoio e o alto custo da publicação, além da falta de divulgação,principalmente,se ele ,o autor,é oriundo de pequenas editoras como a minha que não tem acesso a grandes distribuidores.
Da nossa parte,fazemos o possível para divulgá-los,mas,é caro e difícil,pois,não existe acesso á mídia  e só nos restam as redes sociais.
Eu faço ,com meus livros,um trabalho de formiguinha,levando –os ás ruas,a festas literárias ,que ,antes de ficar conhecida e convidada,ia por minha conta,faço palestras em escolas e entidades e procuro as livrarias;muitas se dispuseram a vender os meus livros ,com relativo sucesso.
Meus livros podem ser adquiridos nas livrarias parceiras em Salvador,na Livraria Cultura,em todo Brasil  ou pedidos por e-mail ou nas minhas páginas na internet.Esse ano pretendo encontrar um bom distribuidor a nível nacional.A carreira literária não se constrói de uma noite para um dia,é necessário paciência e persistência e ,sobretudo,confiar em si mesma.

6 - A.C.I.MA. – Que conselho daria a quem está dando os primeiros passos no universo literário?
Miriam –Primeiro dessacralizar o livro;livro é investimento como outro qualquer;vai para o Mercado,tem custos e exige muito trabalho e esforço do autor.É como uma ação na Bolsa,ode virar blue chip ou não,mas,você só saberá se arriscar.Como todo investimento tem gastos;o autor deve estar preparado para isto.O primeiro passo e que recomendo ao novo autor é participar de Antologias sérias ,um passo para ser conhecido.Os blogs bem feitos são importantes,funcionou para mim e a presença nas redes sociais com temas interessantes.Autor,ninguém divulga seu trabalho melhor que você,pense nisto e arregace as mangas.

7 - A.C.I.MA. – Qual sua opinião sobre o momento “economicamente feliz” que o Brasil está vivenciando atualmente? Segundo seu ponto de vista será duradouro? Qual é o seu objetivo literário no momento?
Miriam –Contrariando o ‘establishment’, acho que o Brasil,vive,sim,um bom momento;Muita gente saiu da miséria e está sendo criada uma classe média que consome e lê.Precisamos de mais educação e menos bla – bla –blá.Não tenho partido político ,pois,sempre fui independente e voto nas pessoas,não nos partidos;e,observo,reflito ,longe da mídia brasileira que considero tendenciosa e venal.
Se será duradouro esse momento,não sei;o país faz parte de um mundo em crise com  valores destruídos e nada para substituí-los,imperando a corrupção e os interesses escusos.
Meu objetivo literário ,no momento,é crescer,mas,não corro atrás da fama ,nem quero virar celebridade.Contento-me em escrever e vender livros,mantendo minha independência,que me é tão cara.




8 - A.C.I.MA. – Poderia nos falar um pouco sobre suas obras, seu percurso, e particularmente sobre a experiência de divulgar suas obras no exterior?
Miriam – Com prazer!Comecei escrevendo nos sites – tenho mais de 2000 artigos,crônicas e contos publicados –depois participei de Antologias e parti para meu primeiro livro solo,um e-book – Maktub – em 2008,lançado,com sucesso na Bienal da Bahia.Depois,veio meu carro – chefe ,’A Bahia de Outrora’ já na 4ª edição e com uma edição em e-book que está no Amazon,seguida de ‘Contos Apimentados’ já na 2ª edição e ‘Contos e Causos’,ambos contos de humor.Em e-book tenho, ainda, ‘As Filhas do General’e estou  preparando ‘Bahia de Todos os Santos e Todos os Orixás ,que pretendo lançar no Salão de Turim,com vocês.
No mais,sou membro de três Academias,blogueira de coração,tenho 9 blogs, e,segundo o Google,com mais de um milhão de leitores na rede.
Divulgar minhas obras no exterior é  o que mais desejo;sou convidada para mesas e palestras literárias em todo o país ,mas,gostaria de estender essa experiência para fora do Brasil.

9 - A.C.I.MA. – Quantos livros você publicou? Pode nos deixar aqui uma bibliografia (título/Ano de publicação/ Tema  e público alvo/ Em uma frase a mensagem de cada obra.
Vamos lá:
2008 –‘ Maktub’,um e-book ,de mensagens.
2011 -’Contos e Causos’ -1ª Ed.Contos humorísticos
2011 –‘A Bahia de Outrora’ -1ª Ed.Livro de crônicas sobre a Bahia  antiga,costumes,tradições,gastronomia,festas populares
2011 – ‘Contos  Apimentados” -1ª Ed.
2012 –‘A Bahia de Outrora’ -2ª Ed.Revista e ampliada.
2012 –‘Contos Apimentados’ -2ª Ed.
2012 –‘Contos e Causos’ – 2ª Ed.
2012 – ‘A s Filhas do General’,romance curto em e-book
2013-‘Contos e Causos’ – 3ª Ed.Também em e-book.Neste livro de contos bem humorados ,pretendo resgatar a cultura nordestina e seu povo,tão peculiar.
2013- ‘A Bahia de Outrora -3ª edição
2013 –‘Contos Apimentados’ -2ª Ed.Também em e-book
2014 –‘a Bahia de Outrora’ - 4ª edição.Também em e-book
Meu público alvo vai de adolescentes a idosos,em todo o Brasil,gente que procura um humor sadio e espirituoso,agregado ao conhecimento.
‘A Bahia de Outrora’,um resgate de nossa cultura e tradição e um hino de amor á Bahia.
‘Contos Apimentados’ ,um pequeno texto da apresentação e que bem define o livro:’Afirmo que,o objetivo desta obra -  que não é prima nem irmã de ninguém -  é o objetivo  primordial da Literatura:instruir,educar,divertir.Contar histórias;não foi assim que tudo começou?’
‘Contos e Causos’ –Minha intenção foi documentar o passado,mostrar a verve  e os dizeres do povo brasileiro,enfim,a cultura popular nordestina que está ficando esquecida.



10 - A.C.I.MA. –  Se desejar deixe-nos uma mensagem, frase, reflexão ou poesia de sua autoria, por favor!
Uma mensagem para  autores iniciantes:

 Procure fazer um bom livro; o mercado exclui o que não tem valor.Isso não significa fazer concessões,mas,apresentar um trabalho de qualidade.
Ter disposição para “trabalhar “ o livro.Participar de feiras,festas literárias,visitar escolas,ir aonde o leitor está.E, lembrar que em todo não tem sempre uma semente de sim;não tenha medo de rejeição ou negativa.Estabeleça uma meta: vender dois livros por dia.No fim do mês são
60 exemplares vendidos. Dá mais que um salário mínimo.
Sucesso só vem antes de trabalho no dicionário.













A.C.I.MA. – Momento inesquecível?
Miriam – Nascimento da minha primeira filha,Consuelo.

 Três  coisas fundamentarias para ser feliz?
Paz,livros e bons amigos.
Obrigada pela entrevista.



.             SÔNIA MIQUELIN,EDIÇÕES MANDALA
**
RAPIDINHAS:

A.C.I.MA. – Uma saudade?

Miriam – Meus pais

A.C.I.MA. – Um sonho?
Miriam –Um mundo sem fome e guerras

A.C.I.MA. – Um lugar?
Miriam - Salvador

A.C.I.MA. – Uma música?
Miriam –My way
A.C.I.MA. – Uma tristeza?
Miriam – a incompreensão
A.C.I.MA. – Um barulho?
Miriam -  O som das ondas batendo na praia




A.C.I.MA. – Um cheiro?
Miriam –De livro novo

A.C.I.MA. – Doce ou salgado?
Miriam -Ambos

A.C.I.MA. – Destino ou casualidade?
Miriam –Destino.Maktub: estava escrito.

A.C.I.MA. – Quente ou frio?
Miriam -Quente

A.C.I.MA. – Seu hobby?
Miriam - Leitura

A.C.I.MA. – Comida preferida?
Miriam – a italiana.(Não estou puxando o saco.rsss)

A.C.I.MA. – O que ama?
Miriam –Tanta coisa;minha família,6 filhos,13 netos,minha bisneta,meu marido,gatos...

A.C.I.MA. – O que não ama?
Miriam – Mentira,falsidade,dissimulação.

A.C.I.MA. – Um livro?
Miriam – Cem anos de solidão.

A.C.I.MA. – Um filme?
Miriam –Testemunha de Acusação

A.C.I.MA. – Uma homenagem?
Miriam -

A.C.I.MA. – Momento inesquecível?
Miriam – O nascimento da minha primeira filha,Consuelo.

A.C.I.MA. – Três coisas fundamentarias para ser feliz?

Miriam – Paz,livros e amigos





domingo, 2 de março de 2014

A BADERNA,COMO SURGIU?




O BLOG DE FEVEREIRO/MARÇO/14

PORQUE O RISO É FUNDAMENTAL!




VOCÊ SABE COMO SURGIU A BADERNA?
Tristeza e saudade para uns, alivio para outros.Amanhã,ao meio dia,a cidade voltará ao normal,a vida vai seguir o seu curso,estudos,trabalho,seriedade.As dores que estavam meio anestesiadas pela folia,voltarão mais fortes;a alegria fabricada com dia e hora marcada para terminar,abandona o dono sem dizer adeus.Cai-se na real,o que,convenhamos,é melhor do que cair de um terceiro andar .Ou de cima de um trio.Amores de carnaval desaparecem na fumaça,como diz a canção e o prosaico retoma seu lugar.Adeus,adeus,  ano que vem  tem mais.
Muitos,principalmente os eternos mal humorados,acham o carnaval uma baderna.Enchem a boca para dizer esta palavra sem nem ao menos saber o que ela significa.Mas,é uma estória de amor.
Contam os antigos que,na cidade dePiacenza,Italia,nos idos de 1828,nasceu uma bela moça chamada Marietta Baderna.Nunca se sabe de onde lhe veio o nome,talvez de um ancestral marinheiro.
O certo é que a linda garota tornou-se bailarina,venceu os preconceitos inerentes á profissão,e entrou para o elenco do famoso Scala,de Milão,com quem excursionou por toda a Europa.
Quando a Italia,dominada pela Áustria,baniu os teatros e os artistas,Marietta veiu dar com os costados no Rio de Janeiro,por volta de 1849,sabe-se lá porque.
O sucesso desta moça foi tão grande que ela tinha uma enorme quantidade de fãs,todos muito apaixonados e capazes de lhe ofertar a lua e as estrelas.Com frequencia,uns se batiam com os outros em brigas homéricas,criando enorme desassossego nas ruas desta cidade pacata,que só queria passear em paz na Rua do Ouvidor,sem ser desacatada por brigões irresponsáveis.
Os Romeus briguentos foram apelidados de badernistas e daí surgiu a palavra baderna,significando confusão e desordem.



                           O CARNAVAL,NO BRASIL


O RIO TEM O MAIOR CARNAVAL DO MUNDO.
RECIFE TEM O MELHOR CARNAVAL DO PLANETA.
SALVADOR TEM UM CARNAVAL UNIVERSAL.
SÃO PAULO TEM UM COLORIDO CARNAVAL TUCANO.
BRASÍLIA TEM O MAIOR BLOCO DE SUJOS.

MAS,OS PALHAÇOS SOMOS NÓS!...


                   UM  POEMA DE CEZAR UBALDO

PALHAÇOS

PALHAÇOS ERAM TRÊS,
COLANDO NOSSOS CÉREBROS,
CALANDO NOSSOS CORAÇÕES
COM LÁGRIMAS COMO NEBLINA

COM VIRTUDES MUITO OCAS
NO PALCO-PORTO DA DOR.
COM AS BOCAS SELADAS
E UM RISO MORTO NOS PULMÕES.

PALHAÇOS ERAM DOIS,
COM UMA FERIDA IRADA
NOS OLHOS,PEDRAS DE SANGUE
CHOVENDO MANHÃS
SEM LUZ,SEM ECOS...

PALHAÇO SÓ.FICOU
COM RISO FEITO CICATRIZ DE MEDO,
SEM VOZ,ESCUDO E APELO
TALVEZ SENDO O VERSO,
CERTO ESPANTO DOS CASAIS,
CAMINHANDO SOB AS LUZES DE GÁS NEON...




CcezarcC Cezar Ubaldo de Oliveira Araujo nasceu em 2 de outubro de 1950,filho de Francisco Marques Araujo e Zilda Oliveira Araújo,ambos educadores,na cidade Princesa de Feira de Santana,às 5 horas de uma segunda- feira,quando ainda existia a feira- livre no centro  comercial da segunda maior cidade da Bahia.
É Professor,Pedagogo.Membro da Academia de Cultura da Bahia,indicado pela escritora Miriam Salles,participa de vários sites como Overmundo, Portal Literal,Recanto das Letras,Baú da Princesa,A Bahia de Outrora,Portal CEN-Portugal,Arriversos-Espanha,PoetasdelMundo,além de ser articulista dos jornais eletrônicos Vivafeira, Infocultural ,Acontecebahia ,Jornaldapovo.
Publicou em parceria com o poeta Carlos Lima o livro Das Liberdades e Convicções do Homem,e,individualmente o livro Poemas de Bem-Querer e Outros Quereres.É autor  e diretor teatral.Amante da boa música e da boa literatura,do canto e da dança.Prepara o próximo livro para lançamento em breve.
cezarletrasdeubaldo77@gmail.com



                                  CARNAHUMOR                             







                                                   MUITO RISO E MUITA                                                                 ALEGRIA  !                                          


sábado, 25 de janeiro de 2014

SOBRE LIVROS,SEBOS E LEITURAS



O BLOG DE JANEIRO/14

ARTIGO DE FUNDO



         SOBRE LIVROS, SEBOS E LEITURAS

Se  somos escritores,certamente,um dia acabaremos num ;o sebo pode ser feio,mal arrumado,amontoado,verdadeiro depósito de livros,quase um asilo de mendicidade literário,mas, costuma ser o fim de todas as obras literárias seja você Cervantes ou Zé da Silva.
Quem põe os livros lá?Um leitor que comprou a obra leu,não gostou ou que não tem mais espaço na casa ,ou precisa de dinheiro,ou,ou,ou...Vá-se lá saber o que se passa na cabeça do leitor!
Ou um editor desanimado diante de pilhas e mais pilhas de livros invendáveis,seja daquela gostosa de bunda grande que ele cantou um dia ,ou de um amigo a quem não podia negar nada,ou aquela atriz de sucesso que ele achou que poderia apostar nela e mandou imprimir 50.000 exemplares,num dia em que estava de porre.Sim,não parece ,mais editor   tem seus momentos de ternura em que abre o saco das bondades e se ferra .Bom contar com a Lei Rouanet e o Banco do Brasil,senão,onde pararíamos?!Nos cartórios de protestos ou serasas,um horror!
Bem,ainda temos outro personagem ,o autor,ás vezes com seus seis personagens,cuja história ninguém quis comprar.Um dia,contrafeito,arrependido por ter sonhado com vacas literárias que não lhe deram leite nem caldo,pega as 50 caixas de livro que estão debaixo da cama e chama o sebo.
Pensamentos ensebados no sebo do bairro ;boa figuração.
Confesso que adoro sebos;vasculhar livros,achar maravilhas esquecidas e empoeiradas,me dá um prazer igual ao orgasmo se é que ainda me lembro como era um.
Frequentei muito o sebo do Brandão,quase tão velho quanto   eu e ,não faz muito tempo,encaminhei pra lá um famoso escritor,que saiu com mãos pesadas de livros e bolso vazio de notas;mas,feliz como pinto no lixo.Aliás,até achou as crônicas de Fernão Mendes Pinto e outras velharias raras.
Agora,por falta de tempo ,viajo pelos sebos virtuais e acho lá maravilhas esquecidas ou recuperadas.Outro dia achei um livro que me pareceu familiar;era uma velha edição de Nietzsche que eu mesma vendi num lote em 1985 ,para fazer mais dinheiro  na viagem á Europa.Estava lá,com a minha letrinha de criança,no tempo que eu ainda sabia escrever letras cursivas ,coisa que foi morta e sepultada pelo teclado do PC;quando escrevo,hoje,só Deus sabe traduzir ,pois eu,confesso não entender nada destes garranchos por mim  desenhados.
Bem ,paro por aqui ,pois,recebi três livros de Somerset Maugham,um escritor muito querido na minha adolescência e estou recuperando os perdidos, agora.Os três exemplares ,de capa dura,ainda eram do tempo do Círculo do Livro  - alguém se lembra ? –e me custaram ,juntos,$4.00 reais.O frete foi mais caro.Mas,como diz o Pessoa,também ele frequentador do sebo,tudo vale a pena se a alma não é pequena.Pois,pois!



                                 SEBOS FAMOSOS




                              SEBO AVALOVARA,S.P.






O MAIS ANTIGO E COMPLETO DE SALVADOR



EM NEW YORK




SEBO VERMELHO,EM LISBOA










LELLO,UMA LIVRARIA CENTENÁRIA,NO PORTO


EM PARIS,NO QUARTIER LATIN


QUER PERCORRER 15000 SEBOS EM POUCOS MINUTOS?







EU SOU FÃ!





 A POESIA SATÍRICA DE JESSIÉ QUIRINO



Vou-me embora pro passado

Lá sou amigo do rei
Lá tem coisas "daqui, ó!"
Roy Rogers, Buc Jones
Rock Lane, Dóris Day
Vou-me embora pro passado.


Vou-me embora pro passado

Porque lá, é outro astral
Lá tem carros Vemaguet
Jeep Willes, Maverick
Tem Gordine, tem Buick
Tem Candango e tem Rural.

Lá dançarei Twist

Hully-Gully, Iê-iê-iê
Lá é uma brasa mora!
Só você vendo pra crê
Assistirei Rim Tim Tim
Ou mesmo Jinne é um Gênio
Vestirei calças de Nycron
Faroeste ou Durabem
Tecidos sanforizados
Tergal, Percal e Banlon
Verei lances de anágua
Combinação, califon
Escutarei Al Di Lá
Dominiqui Niqui Niqui
Me fartarei de Grapette

Na farra dos piqueniques

Vou-me embora pro passado.
No passado tem Jerônimo 

Aquele Herói do Sertão
Tem Coronel Ludugero
Com Otrope em discussão
Tem passeio de Lambreta
De Vespa, de Berlineta
Marinete e Lotação.

Quando toca Pata Pata

Cantam a versão musical
"Tá Com a Pulga na Cueca"
E dançam a música sapeca
Ô Papa Hum Mau Mau
Tem a turma prafrentex
Cantando Banho de Lua
Tem bundeira e piniqueira 
Dando sopa pela rua
Vou-me embora pro passado.

Vou-me embora pro passado

Que o passado é bom demais!
Lá tem meninas "quebrando"
Ao cruzar com um rapaz
Elas cheiram a Pó de Arroz
Da Cachemere Bouquet
Coty ou Royal Briar
Colocam Rouge e Laquê
English Lavanda Atkinsons
Ou Helena Rubinstein
Saem de saia plissada
Ou de vestido Tubinho
Com jeitinho encabulado
Flertando bem de fininho.

E lá no cinema Rex

Se vê broto a namorar
De mão dada com o guri
Com vestido de organdi
Com gola de tafetá.

Os homens lá do passado

Só andam tudo tinindo
De linho Diagonal
Camisas Lunfor, a tal
Sapato Clark de cromo
Ou Passo-Doble esportivo
Ou Fox do bico fino
De camisas Volta ao Mundo
Caneta Shafers no bolso
Ou Parker 51
Só cheirando a Áqua Velva
A sabonete Gessy
Ou Lifebouy, Eucalol
E junto com o espelhinho
Pente Pantera ou Flamengo
E uma trunfinha no quengo
Cintilante como o sol.

Vou-me embora pro passado 

Lá tem tudo que há de bom!
Os mais velhos inda usam 
Sapatos branco e marrom 
E chapéu de aba larga
Ramenzone ou Cury Luxo
Ouvindo Besame Mucho
Solfejando a meio tom.

No passado é outra história!

Outra civilização...
Tem Alvarenga e Ranchinho 
Tem Jararaca e Ratinho
Aprontando a gozação
Tem assustado à Vermuth
Ao som de Valdir Calmon
Tem Long-Play da Mocambo
Mas Rosenblit é o bom
Tem Albertinho Limonta
Tem também Mamãe Dolores
Marcelino Pão e Vinho
Tem Bat Masterson, tem Lesse
Túnel do Tempo, tem Zorro
Não se vê tantos horrores.

Lá no passado tem corso 

Lança perfume Rodouro
Geladeira Kelvinator
Tem rádio com olho mágico
ABC a voz de ouro
Se ouve Carlos Galhardo
Em Audições Musicais
Piano ao cair da tarde
Cancioneiro de Sucesso
Tem também Repórter Esso
Com notícias atuais.

Tem petisqueiro e bufê 

Junto à mesa de jantar
Tem bisqüit e bibelô
Tem louça de toda cor
Bule de ágata, alguidar
Se brinca de cabra cega
De drama, de garrafão
Camoniboi, balinheira
De rolimã na ladeira
De rasteira e de pinhão.

Lá, também tem radiola 

De madeira e baquelita 
Lá se faz caligrafia
Pra modelar a escrita
Se estuda a tabuada
De Teobaldo Miranda
Ou na Cartilha do Povo
Lendo Vovô Viu o Ovo 
E a palmatória é quem manda.

Tem na revista O Cruzeiro 

A beleza feminina
Tem misse botando banca
Com seu maiô de elanca
O famoso Catalina
Tem cigarros Yolanda
Continental e Astória
Tem o Conga Sete Vidas
Tem brilhantina Glostora
Escovas Tek, Frisante
Relógio Eterna Matic
Com 24 rubis
Pontual a toda hora.

Se ouve página sonora 

Na voz de Ângela Maria
"- Será que sou feia?
- Não é não senhor!
- Então eu sou linda?
- Você é um amor!..."

Quando não querem a paquera

Mulheres falam: "Passando,
Que é pra não enganchar!"
"Achou ruim dê um jeitim!"
"Pise na flor e amasse!"
E AI e POFE! e quizila
Mas o homem não cochila
Passa o pano com o olhar
Se ela toma Postafen
Que é pra bunda aumentar
Ele empina o polegar
Faz sinal de "tudo X"
E sai dizendo "Ô Maré!
Todo boy, mancando o pé
Insistindo em conquistar.

No passado tem remédio

Pra quando se precisar
Lá tem Doutor de família
Que tem prazer de curar
Lá tem Água Rubinat
Mel Poejo e Asmapan
Bromil e Capivarol
Arnica, Phimatosan
Regulador Xavier
Tem Saúde da Mulher
Tem Aguardente Alemã
Tem também Capiloton
Pentid e Terebentina
Xarope de Limão Brabo
Pílulas de Vida do Dr. Ross
Tem também aqui pra nós
Uma tal Robusterina 
A saúde feminina.

Vou-me embora pro passado

Pra não viver sufocado
Pra não morrer poluído
Pra não morar enjaulado
Lá não se vê violência
Nem droga nem tanto mau
Não se vê tanto barulho
Nem asfalto nem entulho
No passado é outro astral
Se eu tiver qualquer saudade
Escreverei pro presente
E quando eu estiver cansado
Da jornada, do batente
Terei uma cama Patente
Daquelas do selo azul
Num quarto calmo e seguro
Onde ali descansarei
Lá sou amigo do rei
Lá, tem muito mais futuro

Vou -me embora pro passado.


CANTINHO BEM HUMORADO